Desenvolvemos ao longo de sua vida hábitos e comportamentos para nos relacionar e interagir com o ambiente a nossa volta.

Em sua maioria são funcionais e não trazem problemas, mas alguns podem ser indesejados, pois parecem ser prejudiciais e causam aparente sofrimento.

Apesar disso, esses comportamentos não são disfuncionais, pois todos possuem uma função para a pessoa.

A Programação Neurolinguística, ou apenas PNL, vem a corroborar com essa hipótese ao desenvolver o conceito de Intenção Positiva, afirmando que todo comportamento possui um ganho para a pessoa, mesmo que seja oculto e desconhecido em nível consciente.

Milton Erickson, famoso psiquiatra e terapeuta, afirmava que todo problema é uma tentativa de solução e buscava um benefício, mesmo que aparentasse ser algo ruim.

Sendo assim, uma forma de mudar comportamentos indesejados seria descobrir a intenção positiva que sustenta esses comportamentos e criar novas alternativas “mais positivas” para suprir essa necessidade. 😉

Ressignificação em seis passos

Vou compartilhar com você uma técnica simples de Programação Neurolinguística chamada Ressignificação em seis passos. Seu principal objetivo é o de levar a um processo de autodescoberta, levando a mudanças internas. Ela envolve o conceito de partes inconscientes, onde você vai entrar em contato tanto a parte inconsciente responsável pelo comportamento como a sua parte criativa.

O principal aspecto aqui é levantar a intenção positiva e criar comportamentos alternativos que atinjam o mesmo objetivo. Nesse texto irei descrever o procedimento como feito por uma pessoa apenas, mas é facilmente adaptado à aplicação em dupla, ou mesmo em grupo.

Caso seja feito em dupla, uma das pessoas deve guiar a outra, passando instruções claras do que o sujeito deve fazer, observando as respostas e interagindo sempre que necessário.

Antes de iniciar é necessário estar em um local calmo, estabelecer o rapport e ficar em uma posição confortável, de preferência com as palmas das mãos viradas para cima.

Vamos começar? Passos para seguir:

1. Levantar o comportamento a ser trabalhado

Antes de iniciar o processo é necessário separar aquilo que deseja trabalhar e identificar o comportamento “problema” é o primeiro passo.

2. Chamando a parte responsável pelo comportamento

Em seguida, busque entrar em contato com a parte inconsciente responsável pelo comportamento indesejado. Escolha uma das mãos e peça para para que essa parte vá até a mão que foi escolhida.

(*) Em caso de fazer em dupla, estabeleça uma forma de diálogo e um sinal para confirmação, como levantar um dedo para “sim”.

3. Levante a intenção positiva

Lembre-se que todo comportamento, segundo a PNL, possui uma intenção positiva, então essa parte inconsciente acredita que o comportamento que ela realiza não está atrapalhando, mas ajudando.

Guie esse diálogo através de perguntas com foco no propósito por trás do comportamento, utilize perguntas como “o que estou ganhando com isso?” ou “o que de positivo percebo nesse comportamento?”.

O rapport nessa hora é fundamental, bem como estar calibrado e atento às respostas. Geralmente a intenção positiva está por trás de uma crença ou é um sentimento ou necessidade humana básica, como aceitação, proteção, valorização, evitação de algo aversivo, necessidade de ser amado etc.

Ao final dessa fase, quando conseguir a intenção positiva, agradeça àquela parte pela ajuda e peça para ela aguardar.

Uma vez levantada a intenção positiva, é necessário que sejam criados novos comportamentos mais ecológicos que atinjam o mesmo objetivo.

4. Criando novos comportamentos

O procedimento aqui será semelhante ao anterior. Deverá ser convocada outra parte, a criativa, e posicionada na outra mão.

Esclareça para essa parte o que está acontecendo, explique que ela está ali para ajudar a criar (pelo menos) três novos comportamentos para atingir a intenção positiva levantada no passo anterior.

Essas opções serão apresentadas para a parte responsável pelo comportamento indesejado.

Uma vez com os novos comportamentos, agradeça à parte criativa e diga a ela que você vai entrar em contato agora com a outra parte.

5. Integração dos novos comportamentos

Agora é o momento de voltar para a parte anterior e apresentar a ela as opções criadas pela parte criativa.

Utilizando o sinal que foi estabelecido no passo 2, procure confirmar a aceitação das opções apresentadas.

É necessário que a parte aceite pelo menos uma delas, caso a parte não aceite nenhuma das opções, é necessário voltar ao passo 4 novamente.

Uma vez aprovados pela parte, é necessário que exista a integração, então agradeça as duas partes e integre em si os novos comportamentos gerados.

Pode ser feito de forma simbólica, como juntando as mãos e levando ao peito, ou de acordo com alguma metáfora.

6. Ponte ao futuro

Uma vez realizada a integração, é necessário que exista uma verificação ecológica dos novos comportamentos.

Visualizar diversas situações, atuais e futuras, onde estará passando por situações que disparavam o comportamento indesejado.

Perceba usas reações, como se sente e como se viu nas situações. Caso se perceba realizando os novos comportamentos e se sinta bem, o procedimento teve êxito.

Faça esse procedimento algumas vezes, para reforçar e para ter certeza que tudo deu certo.

Conclusão

Todos os comportamentos, mesmo os indesejados e/ou prejudiciais, possuem uma função para o organismo. Essa função, segundo a PNL, é chamada de Intenção Positiva.

Uma forma para modificar comportamentos é a ressignificação em seis passos. Ela pode ser feita em dupla ou com o sujeito sozinho.

Seu funcionamento está baseado em encontrar a intenção positiva por trás do comportamento e apresentar novos comportamentos mais “ecológicos” que possam substituir o comportamento problema.

Toda a mudança comportamental está baseada na autodescoberta e no autoconhecimento, uma vez identificadas a função do comportamento fica mais fácil mudar.

A questão chave, sempre, é buscar esse autoconhecimento e decidir mudar.

Não existem comentários.